Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ele, o microfone e a mamã

"Radicalismos" de uma mãe galinha, rabiscos e cantorias do pequeno príncipe T e vida, muita vida para vos mostrar. No nosso T3 vivemos e sorrimos muito.

Ele, o microfone e a mamã

"Eu - tanásia" da minha vida

Liliana Silva, 20.02.20

86498759_10221630898791500_2034113901708181504_n.j

Às vezes precisamos parar e deixar fluir os pensamentos antes de por a boca no trombone...
Às vezes o mais sensato é ouvir e calar (ainda que por instantes), porque ignorantes são aqueles que não sabem escutar com o coração e colocam nas palavras o ódio que lhes vai no corpo...

Muito se tem dito...muito se tem escrito...muito se tem discutido...e eu calada!! Quase a rebentar é certo...mas calada...como disse a absorver cada opinião, porque a liberdade também tem de ser isto!

Mas claro que não posso continuar calada quando a opinião pública que tenho ouvido e sentido está tão dispersa da realidade que me mete medo!

Sabem a expressão "só sabe do convento quem lá vive dentro"?! Eu vivi...Eu senti...Eu sofri...Eu "morri"

Tivemos a sorte da minha mãe ter entrada quase imediata num centro de cuidados paliativos perto de casa.
Tivemos a sorte de ter uma equipa que se entregou a 200% ao caso dela e ao nosso bem-estar.
Tivemos a sorte de amenizarem as dores físicas dela e as psicológicas nossas

Mas não se iludam...somos talvez dos poucos casos de "sucesso" que os doentes terminais têm a sorte de encontrar no seu fim de vida.

O cancro comeu parte do rosto da minha mãe!! Sim comeu!! A minha mãe faleceu já sem queixo, com metade do rosto em buracos!! O cheiro a podre era tão forte, que eu não conseguia segurar o vómito!! As dores deviam ser tantas que nem a morfina por fim já conseguia amenizar e tiveram de a sedar na totalidade para morrer dignamente!! As escaras e negras no corpo teimaram em aparecer por fim, em poucos dias e olhar aquelas manchas num corpo onde só já restava osso era de uma ingratidão atroz!! Chorava de cada vez que tinha de lhe tocar e ela já nem sequer sentia nada!! O buraco no estomago para a alimentar de nada ja lhe valia mas servia para nos mostrar como estava a partir aos poucos de tanto liquido negro que saía. O tubo na garganta para respirar melhor na luta da doença, que tinhamos de limpar de x em x tempo nas 24h de cada dia passsado assim!! Ninguém me contou!! EU VI!! EU ESTAVA LÁ!! EU FIZ-LHE MUITOS DOS CURATIVOS QUANDO AINDA OS PALIATIVOS ERAM UMA MIRAGEM!!

Desculpem chocar-vos assim! Desculpem falar-vos assim!!

A minha mãe ADORAVA VIVER!! Era uma mulher católica, praticante e que acreditava tanto em Deus e nas suas capacidades de cura que nunca perdeu a fé! Não sei ao certo, porque acho que nunca falamos sobre este assunto, qual a opinião formada que ela tinha, mas sei que ela sabia que para morrer não era preciso sofrer tanto!!

A minha mãe morreu dignamente, sim, graças a uma equipa multidisciplinar que não lhe prolongou o sofrimento e nos soube manter psicologicamente estáveis para saber quendo devíamos parar. Na última noite dela, foi-nos dito que poderiam por o oxigénio, mas que já sabíamos qual o desfecho final. Deram-nos a escolher e nós claro tomámos a decisão mais dificil mas a menos egoísta!! Ela estava serena!

Não há muitos casos como o da minha mãe!! Não venham políticos, historiadores, analistas ou comissões de ética falar em melhorar os cuidados paliativos, porque não se resolve problema nenhum!! O nosso país não tem capacidade a curto-médio prazo de resolver tamanhas lacunas no SNS e nos cuidados prestados a quem definha numa cama de casa, de hospital, de lar ou perdido em qualquer canto de uma barraca!!

A liberdade humana está em causa quando nos sacrificam a este ponto! A minha liberdade está em causa quando tenho 200 senhores a decidir a minha vida quando não sabem o que é o cheiro a podre, os gritos de dor, as lágrimas de sofrimento pelas escaras e feridas num corpo que só faz peso!

Não é digno pedir que se prolongue a vida humana à conta de milagres!
Não é digno pedir que se prolongue a vida humana quando na verdade o único desejo é morrer ciente de que não sou um estorvo para os outros e que posso decidir abertamente sobre o MEU CORPO!!

Falar de hospitais, de internamentos, de unidades de cuidados continuados e paliativos sem conhecimento de causa própria é desvalorizar o ser humano na sua situação mais frágil!!

Quero poder morrer dignamente! Sem que para isso tenha de prolongar mais e mais um caminho de "nada"! Porque é isto que muitos dos corpos se tornam..."nadas", "vazios", "sem alma"!!

A eutanásia é de facto um tema que precisa de ser falado e discutido, mas com a certeza de que não estamos a cometer nenhum crime! Deus deu a vida e só ele a pode tirar?! Mas que "vida" pode um corpo vazio suportar? Que "vida" pode haver na dor, nas lágrimas, no sofrimento?

Parte de mim morreu naquele dia em que a perdi! Ninguém me pediu que decidisse nada! A minha mãe nunca foi um fardo para nós e tivemos uma vida feliz onde aproveitamos os momentos bons e menos bons para continuar na luta, mas sei que não era assim que gostaria de lembrar a minha mãe!! E portanto sou a favor da Eutanásia!!

Sou A FAVOR da liberdade de escolha! Sou A FAVOR de morrer quando eu achar que a minha vida não vai acrescentar nada à minha caminhada neste mundo!! A minha mãe ensinou-me a não ser egoísta e deixar partir condignamente é um acto de AMOR que só os mais fortes conseguirão um dia entender 

Como se gere a notícia de uma gravidez?!

Liliana Silva, 26.01.20

33b0c4c2c67587a165327b9dd8176bb5.jpg

 

Carta ao meu filho quando soube da sua chegada

Passaram 7 anos desde que aquela "caneta" apresentou um tracinho extra no visor...

Passaram 7 anos desde que ganhei coragem para comprovar os enjoos, a sonolência excessiva, a fome em demasia, o cansaço por demais...

Passaram 7 anos desde que num wc "público" decidi tirar "aquilo" a limpo...

Passaram 7 anos desde que um turbilhão de emoções passou a fazer parte da minha cabeça e do meu coração...

Há 7 anos tudo aquilo me pareceu descabido, tudo aquilo era surreal, tudo aquilo foi posto em causa. Naquele dia pairou a incerteza e a insegurança, os pensamentos e as sensações meio perdidas. Naquele dia morri um pouco por dentro...sim morri...e morri porque sabia que ia ter de lidar com emoções contraditórias em todos os outros 9 meses do teu crescimento.

Há 7 anos não foi dia de festa...aiii Tiago, não tenho palavras que expressem tudo o que me ia na cabeça naquele dia e nos dias seguintes de tantas lágrimas...

Há 7 anos não dei notícia a ninguém, não corri para o telefone para contar, não saí à rua para agradecer, não cantei de alegria com a notícia da tua existência!

Não me recrimines. Tento a cada dia que passa redimir-me de todos os pensamentos que tive e de todas as sensações boas que não tive oportunidade de viver.

Há 7 anos tu estavas a crescer dentro de mim e a minha mãe morria aos poucos ao meu lado! Não foi tarefa fácil meu pequeno guerreiro. Não foi de todo fácil...Ainda hoje não o é! Mas hoje tenho-te ao meu lado, hoje apoio-me em ti, hoje sorrio contigo e hoje dou graças por ter tido a coragem de te carregar durante aquele tempo tão sofrido!

Tu és a prova viva de que existem milagres e eu sou prova provada de que posso duvidar de muito mas que tenho sempre algo maior em que acreditar.

Disseram-me muitas vezes que Deus me fechou uma porta, mas me abriu uma janela...não percebo muito desta frase. Revoltei-me até, quando a ouvia...

Hoje limito-me a aceitar os factos e a saber que quando abro a porta tenho-te à minha vista e quando me ponho à janela tenho telhados de estrelas cadentes a iluminar o meu caminho.

Obrigada miúdo giro...porque se hoje aqui estou...a ti o devo!!

Tenho medo...medo de não estar mais...

Liliana Silva, 22.01.20

6bd7ac66c15bc6041eebd96565c0774d.jpg

 

Deito-me ao teu lado

Adormecemos de mãos dadas 

De repente cai uma lágrima...

Olho para as minhas mãos e penso quantas fichas terei ainda para gastar ao teu lado?

Quantas voltas nos serão permitidas ainda?

Qual o preço a pagar para poder subir contigo neste carrossel chamado de vida?

O pano volta a fechar-se...o carrossel voltou a parar... sinto-me novamente em suspenso e volta o medo!!

O medo que achava estar perdido depois de perder o meu bem mais precioso, voltei a reeencontrá-lo no dia que te vi pela primeira vez!

Aquele egoísmo que sempre me ensinaram a por de lado está agora bem colado a mim!! Tenho medo de não te poder ver crescer! Tenho medo de não te poder acompanhar!! Tenho medo que a vida me pregue uma nova rasteira e me tire repentinamente do teu caminho. Desculpa mas tenho muito medo!! Dou por mim e pedir que nada me aconteça, que nada de mal me aconteça! Dou por mim a pedir que não tenham de te arranjar uma substituta, uma que faça o meu papel, uma que minimize os danos da minha falta! 

Há dias complicados...por estes dias tem sido assim um misto de emoções. Quanto mais tempo passo ao teu lado, mais medo tenho que o destino quebre este cordão mágico que nos une. 

Sei que nada disto te aflige...São conversas que não são do "teu rosário" e apenas da minha cabeça e deste coração de mãe...sei que vivemos intensamente cada instante e que mesmo as nossas zangas servem para nos unir ainda mais...mas tenho medo!!

Quando somos mães ganhamos apertos dentro e fora do coração!

Tenho medo de não estar cá nas tuas etapas importantes, tenho medo que nos roubem datas especiais, tenho medo que nos separem aqueles abraços especiais.

Não penso nisto sempre. Não pauto a nossa caminhada com alicerces de medos e receios...mas hoje tenho medo,  e tenho tido este medo que deve ficar registado. Apenas e só para que saibas que apesar do medo que sinto não deixo de fazer absolutamente nada!! Vivo cada dia o mais e o melhor que posso. Não tenciono abrandar o ritmo da felicidade e das novas oportunidades. Quero que saibas sempre que apesar de termos sentimentos menos bons, a vida corre...e chegar ao final do dia com o dever de missão cumprida é a melhor sensação que podemos transmitir a quem amamos. 

E eu amo-te tanto meu pequeno Príncipe T. 

3+4=7 - A mãe fez anos

Liliana Silva, 08.01.20

82160713_2658238044229411_7723721357199933440_n.jp

 

Vamos lá ver uma coisa...ando desaparecida mas ainda existo 

E com mais um ano em cima 

É verdade...34 já cá cantam e ontem foi dia de festa, ou talvez não...bem talvez sim, talvez não! 

Acho que quem priva comigo de perto sabe que adoro fazer anos, que adoro a atenção em dia de aniversário, que vibro com surpresas e que dava tudo para voltar a ter um bolo de anos que não fosse o tipico brigadeiro de 4€ do continente . Sinto tanta falta daqueles pão de ló que a minha mãe fazia e depois cobria com mousse de chocolate dos pacotes e enfeitava com pintarolas de todas as cores  aiii que saudades...

Foi um 7 de Janeiro atípico no que aos outros anos diz respeito. Ou secalhar foi um dia 7 de Janeiro igual à maioria dos restantes dias do ano. Estive a trabalhar (coisa que já não fazia a alguns anos, e coisa que não voltarei a fazer nos próximos). Dia de aniversário devia ser "feriado" ahahahah...também é verdade que só não tirei o dia porque não quis, mas percebi que devemos dar mais valor a nós mesmos e aos nossos dias especiais e como tal, se nosso senhor me deixar comemorar os 35, serão para me brindar durante esse dia 

Mas bem, à parte do trabalho, não fiz comer (almoço e jantar fora) , o marido colorido não postou uma foto fofinha nas redes sociais mas mandou entregar-me um fantástico ramo de tulipas amarelas num vaso fantástico, o pequeno artista da casa claro que preparou um espectáculo de luz e cor com as músicas preferidas da mamã e tive sem dúvida o abraço caloroso do meu pai. A juntar a isto as muitas mensagens, telefonemas, redes sociais encheram-me de mimo e animação.

E com tudo isto percebemos cada vez mais e melhor que a vida corre, que o tempo voa, que as pessoas vão indo e que nos resta acreditar que podemos viver este mundo um bocadinho melhor do que aquilo que fazemos com ele.

Escrevo muitas vezes aquilo que me vai na alma, aquilo que sinto cá dentro neste meu coração de menina sonhadora mas por estes dias as palavras têm faltado. Acho que de tanto que queria escrever, acabo por não conseguir por em pratica no papel tudo aquilo que penso e sinto.

Agradeço-vos por continuarem desse lado e deixo-vos com os meus desejos para este 20.20

Não faço resoluções para ano novo

Assim como não peço desejos

Assim como não crio expectativas

Não faço promessas com intenções de as cumprir a toda a força

Mas há coisas que gostava de fazer em 2020, umas que talvez nunca tenha feito, outras que gostaria de fazer mais.

1. cuidar mais de mim (a todos os niveis, fsíca e psicologicamente)

2. Andar de bicicleta com o Tiago (ele tem pedido para tirar as teias de aranha à minha orange, e acho que lhe vou fazer a vontade, afinal é uma das coisas que nunca "desaprendemos")

3. Ir a pé a Fátima

4. Fazer uma viagem de avião

5. Voltar à Nazaré e à Figueira com o meu pai

6. Ver mais filmes com o marido colorido

7. Ler (e quando digo ler, um livro completo que há mais de sete anos que não pego em nenhum )

8. Quem sabe começar a escrever um novo livro, desta feita para crianças

9. Organizar uma ida à Disney (talvez lá para 2030 )

10. Ir a um grande concerto (2019 foi sem dúvida épico com o "Edinho" no estádio da Luz )

11. Beber mais água e comer melhor (não fazer dieta, mas comer menos porcarias...)

12. Começar um novo hobbie  (meto-me em tudo pahhhh)

Falamos no próximo dia 31 de Dezembro e até lá, com mais ou menos coisas concretizadas, que seja um ano abençoado pela paz e pela alegria que me caracterizam e com as quais gosto de andar

 

Feliz 2020

Como interpretar o "Não dou prenda ao meu filho no natal"...

Liliana Silva, 12.12.19

 

113.jpg

Há assuntos que me fazem alguma "comichão" 

Há temas para os quais não tenho "paxorra" 

Vamos lá então por partes que é para isto não descambar ou dar para o torto e para não ter de ficar ainda mais "comichosa" (nem sei se o termo existe mas vá...é fixe )

Ponto 1. acho que todos concordam comigo que realmente isto da euforia do natal poderia muito bem ser dividida pelos restantes 11 meses do ano e até andávamos todos mais bem dispostos, mas a verdade é que só nascemos uma vez e tal como o menino jesus nas palhas deitado, todos temos um dia de aniversário

Ponto 2. continuarão a concordar comigo quando acho que todo este misticismo se perde cada vez mais quando, o que hoje impera, é o consumo desenfreado de tudo, desde brinquedos, a prendas, a comida, a enfeites...e que por tal temos hoje um Natal mais centrado em superficialidades no que aquilo que realmente deveria importar

Ponto 3. continuamos juntos nos pensamentos quando sabemos que a família, a união e as gargalhadas deverão ser sem sombra de dúvida aquilo que de mais rico tiramos do nosso natal e não uma árvore repleta de embrulhos e consequentemente entulhos

Agora vamos lá ser sinceros connosco e com o mundinho, porque isto de lançar algumas frases só porque parece bem e deixar meio mundo com a culpa cravada no peito não é lá muito bonito de se ver...

O natal é magia! O natal é alegria! O natal é cor! O natal é Amor! O natal é sobretudo das crianças! Daquelas que acreditam no Pai Natal e nos Duendes, naquelas que escrevem cartas reais, naquelas que esperam ansiosamente pela noite do 24 ou manhã do 25 para ver com os seus olhos a magia acontecer!

E se eu percebo que há crianças afortunadas que durante o ano têm tudo e mais um par de botas, onde tudo lhes é posto no colo sem mesmo pedirem, onde basta apontar e no dia seguinte a marca já está a enviar a prendinha aos papás, recebendo em troca uma boa publicidade, percebo que isto é uma minoria nesta sociedade onde vivemos! Portanto quando vejo figuras públicas, bloguers, gente da sociedade ou das revistas cor-de-rosa encherem a boca para dizer "não compro presente de natal ao meu filho" fico com uma bomba relógio na boca 

Se é porque a criança vai ficar traumatizada com isso? Se é porque já tem tudo? Se é porque sei que o Natal talvez não seja vivido da mesma forma? Se é por um sem número de razões? Epahhh eu sei lá!!! Agora poupem-me estas frases "bem parecidas" porque volto a repetir o Natal é magia! E para a magia acontecer não é preciso um presente debaixo da árvore, mas é preciso as nossas crianças acreditarem nela!! E quando um pai ou uma mãe em plena época de magia diz estas coisas, deixa-me completamente descrente desta magia tão própria!

Não me venham já cair em cima e achar que sou materialista e que para mim o natal só acontece com prendas porque não foi nada disso que acabei de referir e aconselho a que voltem ao início do texto.

Quem não deve não teme, e quando oiço as frases pré-feitas do "oferece o teu tempo", "mostra-lhe que os outros meninos não têm nada", "oferece momentos passados em família", "brinca com ele a jogos antigos", etc, e etc....poupem-me porque se não fazem isso ao longo do ano com os filhos a culpa é única e exclusivamente de cada um! Por cá damos tudo isso em dobro e em triplo e por isso o meu filho vai ter sim pelo menos 1 prenda do pai natal (em que ainda acredita) e uma prenda dos pais, já para não falar nos avós, amigos e restante família que por aí já não me diz respeito! Se fica mal habituado?! Não caros leitores, porque por aqui ensinamos a gratidão e o reconhecimento do esforço e ele agradece que a magia do natal possa continuar a perpetuar aquilo para que serve, para ser feliz e para mostrar que o Amor sem medida é sempre o melhor presente!!!!

Ficaria imensamente agradecida se me mostrassem as vossas opiniões...radicais ou não...estamos numa sociedade com libredade de expressão e sentimentos. Não crucifico ninguém  assim como espero que não o façam comigo por esta humilde opinião

 

 

O "novo" Natal da minha Vida

Liliana Silva, 02.12.19

135.jpg

Confesso que ainda não percebi se gosto do natal por Ele ou por mim!!

A verdade é que antes, antes dele, o Natal era sem dúvida alguma a época com que mais vibrava, mais até do que o próprio dia de anos. Toda a envolvência que os meus pais conseguiram criar à minha volta e fazer-me acreditar no pai natal sempre, é das melhores lembranças da minha infância. Todos os anos sem excepção escrevia a minha carta. Todos os anos sem excepção a árvore e o presépio ocupavam o canto daquela sala e com eles as prendas que se amontoavam à medida que os dias iam passando. Todos os anos sem excepção o dia 24 era de “loucura saudável” com as sobremesas, os afazeres, a mesa de natal…Caramba…

Quando me lembro, parece que me transporto directamente para lá e sinto aqui bem no fundo o coração acelerado de tamanha felicidade…era mesmo tão feliz!!!

Sei bem quando o encanto se foi…aos poucos e definitivamente sei bem quando tudo deixou de ter sentido. Ironia do destino o ano em que deixei de acreditar foi o ano em que nasce o menino Jesus da casa e aí então é que percebi que este mundo tinha tanto de injustiça como de coisas bem feitas.

O Natal de 2012 foi, até aos dias de hoje um murro no estômago. Uma sensação que não consigo descrever. Tinha toda a gente de olhos postos em mim e eu com uma vontade imensa de desaparecer do mapa.

Os anos passaram…voltei a olhar as luzes como sensação de magia, voltei a rever na montagem da árvore um símbolo de coragem e de família, voltei a sentir o presépio como sinal de tempos de esperança e fé (a pouca que me restava).

Este ano custa menos um pouco que o ano passado e assim sucessivamente. Quero que ele sinta metade da magia do natal que eu tinha com a idade dele e até com o dobro. Tornou-se para mim um objectivo, “plantar” este espírito no coração dele. Sei que é uma criança mais feliz, ver a alegria e vibração dele faz-me sem dúvida ter outra atitude perante esta data.

Um dia, lá bem longe, quero que ele, ainda que possa verter umas valentes lágrimas, consiga sentir que a mãe quis sempre que ele acreditasse que a magia desta época pode fazer toda a diferença. E a magia não é de todos os presentes físicos que colocamos a rodear a árvore. Quero que ele sinta e se lembre de  todos os cheiros, todos os toques, todas as músicas, todas as camisolas “foleiras” de natal que lhe comprei, da tarte de amêndoa da avó Maria e da árvore folhada do Pai Ricardo e relembre isso com um sorriso no rosto, um sorriso de saudade alegre.

A árvore está montada, o presépio está feito, o calendário do advento está aos poucos a ser descoberto e a casa “cheira” a magia…a Magia das emoções, da família e do Amor.

E por aí…querem conta-nos como é o vosso Natal? Acreditam na magia?

O bébé do mundo

Liliana Silva, 10.11.19

74602787_1348944275288289_7543970327252959232_o.jp

Peguei neste assunto ontem...

Não me senti capaz de escrever uma única linha...

Não por medo ou incapacidade de expor a verdade, mas porque sei que neste assunto a verdade não está em lado nenhum. Já li e reli muitas palavras. Coisas duras de se escrever, coisas duras de sentir, coisas duras de se viver...

Já muito foi dito, já muito ódio foi destilado, já muitas teclas foram tocadas num assunto que se tornou tema nacional desde o início da semana. O Deus e o Diabo desceram para opinar...

Estes dois dias fez frio, choveu, o vento soprou forte...dei por mim a "escorrer" os dedos nos cabelos do Tiago e a pensar como e porquê...

Confortavelmente no meu sofá, em frente à minha lareira, aninhada na minha manta e com o meu filho ao colo a ver um filme, só conseguia pensar nos motivos desta rapariga tomar uma atitude destas? Quão desesperada estaria para fazer isto? Como teria ela tido coragem para deixar um ser indefeso à mercê de uma sorte tão nula? Que raiva...

Não lhe consegui chamar nomes, não consegui julgá-la...Eu, no meu "mundo encantado" senti apenas repulsa por este gesto mas não me atrevi a fazer juízos de valor. E porquê? Porque continuo a achar e a saber que a vida é ingrata, injusta e insuficiente para muitos. Quantos de nós, atrás de um computador, escreve da boca para fora uma situação pela qual nunca vai passar? 

Se poderia fazer diferente? Deveria!!!

Se poderia ter pedido ajuda? Deveria!!!

Se poderia ter evitado? Deveria!!!

Ufaaaa...deveria!!! Mas quem conhece estes 22 anos de miséria, de pobreza de alma e de espírito, de pouco ou mesmo nada??? Se faríamos diferente?? Com certeza que sim!! Mas faríamos sempre diferente consoante as oportunidades que a vida nos deu para caminhar nesta estrada tão sinuosa!

Desculpá-la? Perdoá-la? Quem sou eu?

Quem somos nós para fazer o que quer que seja quando, cada um tem aos ombros uma árdua e penosa tarefa?

A menina mulher falhou redondamente na sua decisão? SIM!! Atirar um filho ao lixo não é nem nunca poderá ser a última solução!!

Mas não falhamos também todos nós quando passamos ao lado destas pessoas, tão iguais a nós, e tão distantes pelas oportunidades que não têm?

Confortavelmente no nosso ninho de amor, rodeados por pessoas que nos querem bem, somos capazes de tudo!! Já pensaram que só são quem são pelas circunstâncias que a vida vos reservou? Já pensaram que aquilo e aqueles que têm ao vosso lado dita em muito as vossas atitudes e opiniões?? E sozinhos, seremos capazes de tomar as melhores atitudes? Com frio, com fome, à mercê do destino teremos nós capacidade para pensar diferente?

Sou mãe! Engravidei com 25 anos num dos piores momentos da minha vida! Sozinha, perdida no mundo e para o mundo sei que o desfecho poderia ter sido outro. Tive a capacidade de gerir tudo e hoje agradeço por ter tido a luz e o discernimento prático de me fazer agir bem. Mas e então? Se fui mais mulher e mãe que ela? Claro que sim!! Mas quem me garante a mim, que lá bem na frente a vida não me prega uma rasteira e não faço uma asneira tão ou maior que esta???

Menos armas apontadas, mais braços abertos para ajudar a fazer diferente.

Ao "Salvador", meu querido príncipe do nada...a vida está à tua espera!! O que quer que te esteja reservado, acredita sempre que uma luz, lá bem fundo, te deu uma segunda oportunidade!! Mostra que és muito mais que lixo e entulho!!

 

 

 

A "polémica" das visitas à hora do almoço...

Liliana Silva, 23.10.19

73127232_1154824541573640_2000847730733219840_n.jp

 

Escrevi estas palavras há precisamente um ano!!!!
Passou um ano destes desabafos sinceros e críticos...e querem saber o resultado de tudo???

 

Leiam até ao fim 

Outubro/2018

"Caríssimos, 

Por aqui sei que isto tem dado pano para tricotarem muitas mangas, corpetes, etc... acerca das minhas atitudes enquanto mãe...

Ora então vamos lá explicar o que se passa...como sabe o pequeno príncipe T está na sua segunda semana de aulas. Como já era de esperar no primeiro dia o pai foi espreitar e no segundo fui eu...até aqui tudo bem, ele anda feliz da vida. Mas ele entrou na escolinha a semana passada (UMA NOVA VIVÊNCIA!!!!) e como todos sabemos as novas experiências tanto nos podem trazer coisas boas ou menos boas, dependendo do peso que lhe dermos e se conseguimos equilibrar ou não o assunto na nossa mente. O miúdo começou bem, mas como é de esperar, algo reticente e inseguro. Para contornar isto cá estão os pais, que só querem o melhor para ele!!!!

Posto isto, e dado que a meio da semana tivemos um revés no comportamento dele, tomámos a decisão de continuar a ir vê-lo à hora do almoço, tipo espreitar ao portão e dar um hi5 na cria, assim como quem lhe está a dar uma palmadinha nas costas e a dizer "vá, força tu és capaz".

Eis se não quando...  Decidimos ir espreitar-te à escola no intervalo do almoço...E...

 

"Xiiiii que grande erro", " Vê-se mesmo que são pais de primeira viagem", "Ele vai ficar mal habituado", "Assim não o deixam crescer"...o raio que parta tudo isto,lamento!!

Sabem uma coisa Excelências?? E que tal se ouvissem mais o vosso coração? E se fizessem mais vezes aquilo que realmente acham que devem fazer, quanto mais não seja por impulso? E se cumprissem aquilo que prometem? É apenas isto que estamos a fazer. Seguimos o nosso coração e se eu prometo ao meu filho que o vou ver ao almoço, EU VOU e não são as vozes alheias que me demovem.

Ainda que aceite os vossos conselhos, tenho o direito de não os por em prática. Lamento se me acham uma mãe galinha, uma mãe com medo, uma mãe que não está segura de si. Eu própria me questiono "milhentas" vezes se o que estamos a fazer está certo. Eu própria me interrogo se não estarei a cair em desgraça com estas coisas, mas caramba deixem-me cair se tiver que ser, deixem-me bater com a cabeça caso não haja desvio possível.

Eu nasci e cresci em ambiente de sentimentos. Sou feita de sentimentos e tento que o meu filho assim seja. Se estarei certa, se faço bem...o tempo encarregar-se-á de mo dizer. Enquanto achar que lhe "devo" uma visita, assim o farei. Se ele fica mais ou menos "preso" a mim, isso já é outra história. Amor não significa dependência e isso eu sei separar bem."

 

Outubro/2019

Chegámos juntos ao 2º ano...

Se aprendi algo com as visitas à hora do almoço?? Sim!!! Em mais um ano volvido aprendi que o amor não tem medida e que pequenos gestos fazem toda a diferença no coração grande deste meu pequenino.

O meu filho não duvida de mim! O meu filho sabe que se eu digo que não posso, não está à minha espera e se eu lhe prometo que passo lá (ainda que por 2 ou 3 minutos) eu passo lá!!!

SIIIIIMMMM!!!! Continuam as visitas à hora do almoço, quando posso, quando acho que devo poder, quando penso que servirá para algo! Ele leva este meu gesto na desportiva e eu carrego o meu coração com mais um toque e mais um abraço (ainda que, com umas grades pelo meio) e como vozes de burro não chegam ao céu...o que lá vai lá vai...

A festa dos Sete (7)

Liliana Silva, 17.09.19

IMG_1970.JPG

Numa outra encarnação talvez tenha tido queda para a organização de eventos e se o dinheiro abonasse por estes lados, era a isto que me dedicava porque gosto de conjugar cores, tamanhos e criar emoções. Começo a pensar nos anos do miúdo assim que ele decide o tema, e digo-vos desde já que ele é muito assertivo nas suas escolhas. Em sete anos de festa, só não escolheu o tema do primeiro aniversário e porque claro está, não falava ainda 

Este ano e desde o carnaval (e porque vibra com o circo e com palhaços) que jurou a pés juntos que queria uma festa de palhaços e circo, que se ia vestir de palhaço no dia da festa e que ía inclusive fazer palhaçadas para os amigos.

Passaram cerca de seis, sete meses e não houve alterações de última hora. A festa temática dos palhaços ia mesmo acontecer. À excepção do fato dele, não tinha mais nada para a decoração 

ao contrário de outros temas, estive até à última para organizar algumas coisas. Mas dado que não gosto de descurar os pormenores lá me fiz eu à pesquisa no pinterest

Ora cores escolhidas (e tinham de ser cores fortes como vermelho, amarelo, azul e verde) comecei a idealizar os pormenores. Precisava de uma máquina de pipocas, que me foi gentilmente emprestada pela querida Susana (a mesma que nos acompanha nas pinturas faciais há alguns anos) https://www.facebook.com/Parque-Fantasia-2323136934586234/

Depois pensei que seria giro ter também na mesa uns sapatos de palhaço. Confesso que pesquisei preços mas entretanto lembrei-me da nossa auxiliar (sim minha e do T, dado que está na mesma escola há tantos anos que já cuidou de mim e agora trata do mini da casa ) ela vestiu-se de palhaça e tinha uns sapatos mesmo mesmo na mouche. A pedinchas de serviço entrou em acção e claro está que ela nos disponibilizou logo logo os ditos cujos

IMG_1967.JPG

 

IMG_1971.JPG

 

Tratei da moldura para as fotos, dos photoboot e das etiquetas das garrafas de água também não faltaram.

IMG_1968.JPG

 

IMG_1969.JPG

IMG_1973.JPG

 

Optámos por mais uma vez ter um insuflável para entreter a miudagem, a cargo da empresa local Izifun https://www.facebook.com/izifun/

O bolo esse ficou a cargo de Migalhas com Amor https://www.facebook.com/Migalhas-com-Amor-599692213419168/ , que é como quem diz da minha própria pessoa

20190908_160525.jpg

 

Depois?! Bem, depois foi encher balões, e dar asas à minha imaginação. O resultado final por aqui fica e mais uma vez ouvi o miúdo suspirar "esta foi a melhor festa de sempre". Se já assim é há 7 anos, parece que não estou a fazer um mau trabalho

IMG_1972.JPG

 

Espero que gostem tanto como eu gostei de a organizar. Não está perfeita, está única

Obrigada a todos os presentes e a todos os ausentes que queriam estar mas não puderam, por motivos de força maior para o ano há mais

IMG_2036.jpg

 

 

IMG_1981.JPG

 

 

À conquista dos Sonhos - parte II

Liliana Silva, 13.09.19

21554773_0ePlC.jpeg

Inicias hoje mais uma etapa da tua vida

Regressas hoje à escola que te acolheu à um ano 

O ano passado trazia no peito tantas incertezas como receios, medos e expectativas. Passado um ano e pensando que estas estranhas emoções teriam passado dou por mim a saber que apenas mudaram o rumo! Passado um ano o meu coração volta a saltitar numa inquietude tal que faz a minha respiração ficar ofegante e consequentemente descontrolada.

"Ah e tal, oh mãe já devia estar habituada, já passou por isso, já sabe ao que vai".

MENTIRA!!!

Não me habituo às tuas novas etapas até que estejas nelas e bem. Já passei por isso e com muito gosto voltarei a passar mas nunca sei ao que vou. NUNCA! A vida não é sempre tão linear como parece. Os dias não são todos iguais como às vezes gostaríamos de fazer a pausa. As pessoas com as quais nos cruzamos nem sempre estão com os mesmos sentimentos para nos abraçar fundo, para nos amparar e para dizer "estou aqui". Portanto desengane-se quem me diz que devo levar isto com uma perna às costas! Quando me habituar às coisas a vida correrá certamente muito torta.

A grande diferença de um ano? Tudo o que aprendi contigo no teu primeiro ano lectivo! Tudo o que me conseguiste ensinar enquanto criança que aprendia as letras e os números e que não era disso que eu necessitava.

Ensinaste-me a ser mais razoável, mais paciente, menos stressada, menos preocupada com resultados. Ensinaste-me que saber de cor o alfabeto ou conseguir em pouco espeço de tempo ler um texto sem gaguejar não é nem nunca será o mais importante deste teu percurso académico! Porque NÃO PODE SER!!!

Hoje, em mais um novo recomeço, uma nova etapa, um novo início quero que saibas que estou preparada!! Estou preparada como estou em todos os outros dias para te apoiar, para te empurrar, para te auxiliar a chegar sempre mais longe. Estou pronta a encorajar-te! Estou disposta a fazer-te ver que esta nossa caminhada tem tudo para ser feliz e que para isso precisas de ser apenas e isso mesmo...FELIZ. 

E perdoa-me se me voltar a esquecer do que me ensinaste. Perdoa-me se voltar a aumentar o tom de voz. Perdoa-me se ultrapassar a barreira da cara sorridente. 

Prometo que vou com o coração à larga, de mãos dadas e olhar cúmplice! É assim que quero que percorras os corredores daquela escola, com a confiança no coração e o sorriso no rosto. O resto será mais que suficiente se fores suficientemente FELIZ meu pequeno príncipe T.

Bom ano lectivo a todos os principes e princesas