Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ele, o microfone e a mamã

"Radicalismos" de uma mãe galinha, rabiscos e cantorias do pequeno príncipe T e vida, muita vida para vos mostrar. No nosso T3 vivemos e sorrimos muito.

Ele, o microfone e a mamã

Viva os Festivais de Verão

Liliana Silva, 07.07.17

20160703_090710.jpg

 

Chegaram os tão afamados Festivais de Verão...

Eu não sou fã...eheheh...mas passei a ser...e adivinhem qual foi o nosso primeiro Festival de Verão?!

FESTIVAL PANDA

Sim, vá não se riam, não trocem aqui da mamã porque todos sabem que por um filho tudo se faz, até um festival desta envergadura. Temos um fã incondicional de Canal Panda ponto assumido. Aliado a isto temos um fã incondicional de música, de espectáculo, de luzes, de câmaras, de microfones, outro ponto assente. Ora posto isto não fazia sentido aguardar mais para que pudéssemos por em prática a concretização de mais um sonho. Confesso que assumo os desejos do pequeno T como sonhos e na qualidade de mamã só tenho mais é que os concretizar sempre que puder. Porque somos feitos do tamanho dos nossos sonhos certo?

Assim sendo, corri a comprar os bilhetes, e guardei com os deuses este segredo e esta surpresa. A verdadeira questão seria como iria correr e o que iriamos encontrar, porque sabia de antemão que ele ia adorar. Tivemos a sorte de ser o Festival do 20º aniversário e como tal o leque de artistas foi tudo aquilo com que a criança sempre sonhou. Teve direito a Xana Toc Toc, à Sónia e as profissões, aos Caricas, à Abelha Maia, à Banda do Panda e outros tantos que até a mim me fizeram cantarolar.

Tivemos a ajuda preciosa da Mimi (madrinha Carina) do T para chegarmos cedo ao recinto. Confesso que eu estava muito mais nervosa que ele e só queria ver o brilho naquele olhar ao descobrir para onde estávamos a caminhar. À medida que íamos chegando à porta perguntámos se sabia onde ia… começou a ficar ansioso, noto isso pela maneira como fala, como aperta as mãos de quem está com ele, nas inúmeras perguntas que faz…

A certa altura começa a ouvir outras crianças a falar no Panda e eis que surge a entrada do estádio nacional onde está em grande a figura do amiguinho de eleição. Falo de cumprir sonhos apenas e só pelo olhar de felicidade, de êxtase, de animação com que o vejo sempre que o coração transborda de tanta alegria. Falo de cumprir sonhos porque sei que ele deve ser feliz. E deve sentir essa felicidade como algo de muito importante e marcante. Falo em cumprir sonhos porque por muito que às vezes tenhamos de sair da nossa zona de conforto e experienciar vivências novas, o que lhe fica na mente é sempre o resultado final. Falo em cumprir sonhos porque como disse e continuarei a dizer é meu dever que ele seja uma criança feliz.

Creio que não aproveitou tudo o que podia (insufláveis, actividades, pinturas faciais), dado que quis guardar o lugar da frente para que não perdesse nada daquilo que para ele é o mais importante…o espectáculo em si.

Esticámos a toalha do panda no relvado e aguardámos…sabíamos que não havia sombras para quem quer ficar no relvado e perto do palco e o calor estava a apertar. Sorte a nossa que ficando à frente conseguimos apanhar sombra da estrutura do palco até pouco mais do início da música. Sorte nossa que ao redor ficaram pais já batidos nisto dos concertos PANDA e nos deram conselhos práticos como por exemplo sentar num lado, colocar  mochilas e pertences ao nosso lado e esticar as pernas, porque com o inicio do espectáculo há pais que se lembram à última hora que os meninos querem ficar à frente e decidem passar por cima de todos os que já estão (eu também gostava que o meu pirralhito pudesse ter andado nos insufláveis mas preferimos guardar o lugar), e ocupar o buraco mais pequeno que existe, buraco que nem para 1 pessoa daria mas que estas pessoas tentam lá sentar a familia toda, e houve pais que até nos ofereceram protector solar (situação que também nos tínhamos precavido).

Este festival está na minha modesta opinião mal organizado para o público-alvo que pretende atingir. Se queremos um espaço ao ar livre em pleno verão temos de ter condições para que bebés (sim porque eu vi lá bebés de 1ano em ovos) e crianças não sofram com o calor e ali fui testemunha que isso acontece. Imaginem o sol a bater directamente nas crianças durante 1h30, mais coisa menos coisa, e apercebi-me pelo simples facto do T estar a queixar-se que o estampado que tinha na t´shirt estava a queimar-lhe o peito (OMG). Optei por virá-la de costas e as coisas melhoraram um pouco. A transpiração começou a fazer-se notar, a cara começou a ficar vermelha e ele começou a ficar sem a agitação normal que tanto costuma ter nestes momentos de êxtase. Notava-se claramente o incómodo. Foi aí que percebi que o calor estava a fazer “estragos” e foi aí que desejei que aquilo terminasse o mais depressa possível. Para além disto, creio que deveriam ser feitas linhas de passagem entre o público, dado que se amontoa tudo no chão e caso haja alguma emergência, ou como por exemplo eu que caí no erro de me levantar para levar o pequeno príncipe à casa de banho antes de começar o espectáculo, tive de andar com uma criança ao colo a passar por cima de outras crianças e respectivos pais com a grande probabilidade de pisar alguma ou cair para cima de outra (claro está que na segunda vez que ele me pediu uma ida ao wc agarrei numa garrafa de agua e nem me fiz de rogada com tanta gente à volta…imaginam?! Ehehe uma mãe é sempre muito prática). Assim de repente é das coisas que mais confusão me fez.

Tirando as partes menos boas que nos fizeram pensar duas vezes em voltar, o sonho foi concretizado, o T ainda hoje fala do seu primeiro festival e as boas memórias fazem de nós pessoas mais felizes. É por tal que acredito que a nós pais, compete-nos arranjar os motivos e as forças para estas pequenas vivências, porque são únicas, são verdadeiras e não será com certeza para sempre que eles quererão ir connosco a um festival...eheheh...já me estou a imaginar daqui a uns anitos no Alive ou no Primavera Sound...lool...vou-lhe "cultivar" o gosto :)

 

Os estragos da parolice...

Liliana Silva, 04.07.17

20170704_155614.png

 

Se vos perguntasse se preferem ver o vosso filho limpo e arrumadinho ou sujo e encardido qual seria a vossa resposta? Teriam a capacidade de parar para pensar na resposta ou a mesma seria imediata e sem grandes consequências?

A temática é controversa...pode até gerar conflitos interiores e aqui a mamã já aprendeu que não se responde a nada sem pensar primeiro. À partida todos nós gostamos de apresentar os nossos pirralhitos num miminho, como se costuma dizer, gostamos de os trazer “num brinquinho” e gostamos que mostrem boa figura num primeiro impacto. Gostamos de os ver limpos e ajeitados, sem nódoas de sopa ou chocolate no canto do lábio. A verdade é que assim seria o ideal da criança arrumadinha. Mas por si só a palavra criança é o oposto da palavra arrumação e limpeza. Ah pois meus queridos amigos e amigas, hoje a conversa foi esta pela manhã e pela resposta do pequeno príncipe T, acho que me estou a sair minimamente bem.

Por aqui e chegada a hora de calçar as sandálias (que a meu ver são mais frescas para estes dias de calor) o pequeno T perguntou se não podia levar umas sapatilhas porque com as sandálias não podia ir para a terra. Perguntei-lhe porque não ia para a terra com as sandálias. A resposta foi aceitável, porque iria ficar com os pés cheios de areia e não conseguia brincar assim. Então questionei quais os ténis que queria levar. A resposta não foi surpresa. Queria levar os ténis das luzes que brilham mas acrescentou “estas sapatilhas não deviam ir para a terra pois não mamã? Estão a ficar sujas e gastas, qualquer dia já nem brilham...”

Fiquei surpreendida com a resposta porque nunca deixei de o vestir ou calçar com receio de que as coisas se estraguem (confesso que evito uns ténis que foram um bocadinho mais caros, mas também esses já foram) e perguntei-lhe porque tinha dito aquilo.

A resposta deixou-me um nó na garganta:

Sabes mamã, há meninos que não brincam muito na terra da escolinha, não brincam com o balde e a pá, porque não se podem sujar, os papás não querem e eles andam só de bicicleta ou brincam no escorrega e na casinha.

A minha reacção?!

Olha príncipe os ténis são para gastar e para romper, o teu pé qualquer dia já nem cabe lá, a roupa é para sujar porque a máquina lava e tu só tens de fazer o que sabes de melhor que é brincar e ser feliz.

Os ténis das luzes foram para a escolinha como já tantas outras vezes foram e no regresso estarão com certeza mais gastos e sujos. Mas saberei sempre que isso foi sinónimo de muita brincadeira e animação.

Quem sou eu para julgar ou apontar o dedo. Nem sei se será assim uma verdade tão real mas também não quero saber. Cada pai e mãe quer sempre o melhor para os rebentos. Há com certeza também muita maneira de o demonstrar. Por aqui desde que haja o mínimo de higiene na hora de comer, de estar na sala e de sair…tudo o resto é superficial, porque são crianças que a qualquer momento deixarão de brincar por serem já “velhos demais” para tal. Hoje eu sei que ele pode e deve brincar. “Amanhã” sei que as metas a atingir serão tantas e de tão grande tamanho que o impedirá de brincar na terra ou saltar as poças de água, e aí, aí não terei peso na consciência porque lhe dei total liberdade para sujar, seguir em frente e ser feliz. Só as crianças sabem o verdadeiro significado disso mesmo.

 

 

   

Hoje é Carnaval...porque nós queremos

Liliana Silva, 02.07.17

IMG_20170702_185129112.jpg

Domingo é dia de domingar

Ahhhh pois...é dia de aproveitar,dia de brincar,dia de passear,dia de festejar... Domingo é daqueles dias que aconteça o que acontecer devemos ter sempre tempo...tempo de qualidade para estar e para ser. Tempo para acordar tarde,para fazer ronha,para tomar o pequeno almoço na cama,para não ter horários.

E com ele é sempre dia de festa. E hoje ele decidiu que devia ser carnaval. Decidiu vestir-se de robin dos bosques e vestir-me de homem aranha e decidiu passar assim a tarde...e decidiu que deveríamos ligar o som no máximo e cantar e dançar.

Alguns poderão achar estranho...fora de época...eu acho apenas que assim somos realmente mais felizes. Por aqui temos alguém genuíno,alguém que não se importa com esteriótipos,alguém que não se importa de sair assim à rua sem ficar preocupado com o que os outros possam achar. Por aqui todos os dias são dias para viver. E não deveríamos ser todos assim? Não deveríamos nós, os crescidos viver mais genuinamente, sem receios do que A ou B possam dizer? Não deveríamos nós, adultos viver mais despreocupados e sem máscaras de tristeza, arrogância ou malvadez? Não deveríamos nós, os responsáveis pelas nossas crianças apanhar-lhes as "manhas" e viver assim mais na brincadeira e nos faz de conta? Os problemas do dia a dia fazem-nos passar pela vida sem lhe dar a verdadeira importência. Os nossos rostos carregam mais preocupações do que gargalhadas...e só por isso eu acho que deveria ser Carnaval mais vezes ao ano. Por aqui hoje foi Carnaval, dia de festa, de alegria e de boa disposição. Deixo-vos um desafio...façam mais festas destas e não se irão arrepender ;)

E se amanhã ele quiser montar a árvore de natal (ainda que me possa parecer mais complicado) tentarei ver a vida pelos olhos dele...porque são genuínos :)

Pág. 2/2