Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ele, o microfone e a mamã

"Radicalismos" de uma mãe galinha, rabiscos e cantorias do pequeno príncipe T e vida, muita vida para vos mostrar. No nosso T3 vivemos e sorrimos muito.

Ele, o microfone e a mamã

"Radicalismos" de uma mãe galinha, rabiscos e cantorias do pequeno príncipe T e vida, muita vida para vos mostrar. No nosso T3 vivemos e sorrimos muito.

E as notas?! Foram boas?

23.04.19 | Liliana Silva

IMG_1231.JPG

Chegadas as férias e ouvimos vezes sem conta esta expressão: "e as notas já sairam? Foram boas? Podes melhorar?"

Passei a minha infância e juventude a ouvir dos outros estas frases e lembro-me de achar que estavam a tocar num assunto que não lhes dizia respeito. Que só ao meu pai e à minha mãe deveria "prestar contas". Hoje já mãe volto a ouvir estas mesmas expressões e sinto o miúdo meio embarçado com a resposta a dar. Acho que diz a tudo que sim para não ter de ouvir mais respostas, e talvez porque ainda não tenha bem noção do que são as referidas "notas", vulgo avaliações.

Ora as do segundo período "já cá cantam" e ainda não fiz questão de tocar no assunto lá em casa. Aguardo serenamente a reunião com a professora e aí sim tirarei as minhas conclusões. 

Um dia destes, uma mãe em conversa sobre o assunto confidenciou que isto das pautas das notas tem muito que se lhe diga. Na altura não percebi bem a que se referia. Por estes dias, ao ler a entrevista do Prof. Dr. Mário Cordeiro ao Expresso consegui atingir o discurso daquela mãe...

O Dr. Mário diz então: "Não dêem às notas a importância que elas não têm!"

E continua: "Fiquemo-nos por aquilo que se passa nos quatro primeiros anos do ensino básico. O que se ganha quando se expõem, nalgumas escolas, as notas destas crianças? Na verdade, não se trata de esperar que quer as suas dificuldades como os seus méritos sejam clandestinos, até porque as crianças se comparam entre si. Mas, mesmo assim, o que é que se ganha quando há mães e pais (embora, “regra geral”, os pais vão muito menos ver as notas dos filhos) a anotar as classificações dos amigos dos filhos, a comentá-las e a insurgirem-se com elas, em público, diante das próprias crianças? O que se ganha quando algumas destas crianças - que terão ficado aquém daquilo que as mães entendiam ser justo para os filhos - são severamente repreendidas, à frente de todos, e, muito pior, com o argumento de que o colega A e B tiveram melhores resultados que ele? O que se ganha quando algumas destas mães debatem no WhatsApp as notas das crianças, dando-lhes uma importância que elas não têm? O que se ganha quando há pais a premiar com comentários públicos de parabéns no Instagram as notas dos filhos, quando não fica muito claro se se congratulam com os resultados do seu trabalho ou com a forma como parecem alimentar a sua vaidade? E o que dizer quando são as próprias crianças a competir entre si por melhores notas e a chamar aos colegas com mais dificuldades, naquele momento, alguns nomes feios (porque, afinal, não aprendem da mesma maneira e à mesma velocidade)? E o que se ganha quando os pais, de forma demasiado passiva, reconhecem que há turmas do primeiro ano (!!) em que as crianças são “muito competitivas” entre si, como se os pais e as escolas fossem estranhos a isso, e nada pudessem fazer para pôr cobro a essa deriva e as escolas destas crianças fossem campeãs dos défices de atenção e não só não entendessem o absurdo que isto lhes representa como não deixassem de o incentivar, mais do que parece?

Por favor, as crianças saudáveis não tiram sempre boas notas! Aprendem com os erros. Precisam dos enganos. E crescem com os insucessos. E, convém não esquecer, que as notas delas são mérito seu, claro, mas também não são estranhas à sensatez dos programas, e à qualidade da escola e do ensino. "

Confesso que este texto chegou em altura certa. No dia em que fui informada das avaliações, tive acesso às dele e às dos amiguinhos e lembro-me tão bem de começar, involuntariamente a correr a lista dos 25 alunos daquela pauta e mais inadvertidamente a fazer certas comparações. Poing...ahhh pois é, tudo muito bonito e volto a dizer, quem não o fez que atire a primeira pedra. A curiosidade alheia não é nada bonita, mas faz parte do ser humano e quase que me atrevia a dizer que mais de metade das mães ou pais analisou e comparou uma série de crianças com base naqueles MB, BO, ST, etc...

Ora posto isto, e depois de verificar que há melhor e também há pior, dei por mim a fazer novamente a reflexão que há muito interiorizei! Não quero que ele seja o melhor, quero que ele seja feliz. E confesso-vos que nisto da maternidade, às vezes faço verdadeiros testes individuais à capacidade de actuar enquanto mãe. Fechei aquele ficheiro e como disse ainda nem toquei no assunto lá por casa. 

E sabem como me sinto?! Feliz por não ter feito comparações em frente ao meu filho! Contente com a minha postura porque não o "humilhei" dizendo que A ou B teve melhores notas que ele. Alegre porque fui capaz de interiorizar que nisto das aprendizagens continuamos a ser seres humanos com outras e tão boas qualidades, e ele é tão bom em tudo o que faz, até nas birras 

Mas ao contrário do que eu já consegui "evoluir" enquanto ser humano, mas principalmente enquanto mãe, assisto de camarote a comentários tão pouco felizes e a atitudes ainda mais egoístas de pais e mães que acham que os filhos têm de ser muito bons e lhes colocam nos ombros a árdua tarefa de não desiludir. Como reage uma criança assim? Como actua uma criança quando sabe que falha? 

Não quero este peso nos ombros do meu filho. Continuarei a puxar por ele, a ajudá-lo sempre que assim for necessário, a fazer com que nunca perca o interesse nisto do saber, mas farei ainda mais questão de lhe ensinar que os valores da compreensão, da crença e do perdão deverão sempre fazer parte do seu currículo. 

 

E as férias mamã?! Ficas comigo?

08.04.19 | Liliana Silva

IMG_0958.JPG

 

A conversa começou assim:

T: Então mamã eu já estou de férias e tu quando ficas comigo?

E aqui entra novamente o nó na garganta e o aperto do coração...

Mamã: desculpa príncipe, mas a mamã não tem férias por agora. Vais ter de ficar no ATL. Arranjei-te umas tarde diferentes na Banda e vais poder fazer muita coisa nova...

T: sabes, a mãe da minha amiga M. vai ter férias. Será que é porque trabalha mais que tu tem direito a mais férias?

Mamã: não é bem isso príncipe. Tem a ver com os trabalhos que cada um tem...provavelmente a mãe da tua amiguinha também vai ter férias agora e eu decidi desdobrar as minhas férias para poder estar contigo em alguns dias duranten as férias grandes. 

T: ok, mas não podes ficar só um dia comigo? Ia ser tão fixe ficarmos a brincar os dois, jogar à bola, fazer espectáculos...

(lembrei-me do feriado e à rasca lá me safei com esse dia)

Mamã: Tiago a mamã não pode enganar-te. Não tenho férias agora, mas sabes uma coisa? Temos um feriado lá mais para o final da próxima semana e vamos aproveitar o fim de semana prolongado, que te parece?

T: Vai ser fixe, contigo tudo o que fazemos é fixe, menos experimentar roupa nas lojas que é uma seca para mim porque não tenho com o que brincar 

Esta conversa demorou nem cinco minutos! Esta conversa traz sempre à tona aquilo que me deixa danada e revoltada com estas regras e esta rigidez. Tenho 22 dias de férias. Não fiz ainda as contas às dele, mas seguramente que são mais do dobro ou o triplo. E querem os senhores governantes aumentar a natalidade deste país? Querem os senhores governantes que haja mais crianças? 

Não há como!!! E desculpem-me, não é por não querer trabalhar, ou por querer descansar mais do que ninguém, mas acho sinceramente que o meu filho e mesmo eu gostávamos de estar mais tempo juntos. Entrar de férias e ter de se levantar cedo na mesma não são férias!! Continuar as manhã eufóricas do "despacha-te que já estamos atrasados", não são férias!! Ficar de férias e ter de rumar para o mesmo local, ver as mesmas caras, comer da mesma comida não são férias!! Não ponho nunca em causa o profissionalismo nem as actividades novas que cada ATL consegue organizar, que digo-vos já fazem um trabalho excepcional. Eu é que gostava de não ter o ir depositar no ATL, gostava que as coisas fossem mais equitativas. Gostava de o aproveitar e de o deixar por exemplo ficar na ronha comigo de manhã, sem hora para acordar, sem ter de por exemplo tirar o pijama ou até de poder vestir um fato de treino e ir com ele para o parque e depois fazer um piquenique.

Agora muitos dizem...fazes isso nos fins de semana. Certíssimo! Já o faço. E estou convicta que aproveito muito e bem do tempo que passo com ele, mas os fins de semana são isso mesmo - fins de semana, que existem no final de cada semana e em que nos servimos destes dois dias para temperar a vida com novos ingredientes.

Ou há férias a mais para eles ou a menos para nós pais! Chiça que não é mania minha! Caramba para todos os anos, em que tenho de pegar no mapa das férias para preencher, e desde que sou mãe vejo-me entre a espada e a parede. Dar-me-ão vocês mais uma solução...a família, nomeadamente os avós...pois sim, se uns ainda trabalham, o outro até pode ficar com a cria, mas confesso que não acho "correcto" estar a condicionar o dia a dia dele durante quase três meses, sabendo de antemão que uma criança de seis anos tem uma energia que não tem uma pessoa de setenta, sendo neste caso em particular uma pessoa que requer cuidados de saúde.

Ora posto isto, e sabendo que gero muita polémica quando me pedem para marcar férias, eu admito que não sei por onde pegar e sinto-me triste. Sei também que há muitos pais e mães piores que eu, vénia vos seja feita. A mal ou a bem tenho conseguido orientar a coisa para que o mini não se sinta sempre "prisioneiro da escola", mas também sei que muita coisa terá de mudar no que toca à natalidade e ao seu incentivo.

Um país onde ainda só se dá seis meses para a mãe ficar com um bébé e onde se fazem poucas ou rascas mudanças nesta área só pode ter um país envelhecido e sem grande vontade de mudança.

Eu cá tenho as férias marcadas. A Páscoa não foi contemplada porque achei que ele vai querer desanuviar nos meses de verão uma semana em cada mês, portanto tomei esta decisão. Não sei se é a melhor, a mais acertada ou coerente mas foi a decisão que tomei a pensar no melhor para ele. Se estou a ser demasiado complicada quanto ao assunto?! Talvez, mas se há coisas que nos incomodam devemos expo-las quanto mais não seja para exorcisar o tema e seguir em frente sem pesos na consciência.