Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Ele, o microfone e a mamã

"Radicalismos" de uma mãe galinha, rabiscos e cantorias do pequeno príncipe T e vida, muita vida para vos mostrar. No nosso T3 vivemos e sorrimos muito.

"Radicalismos" de uma mãe galinha, rabiscos e cantorias do pequeno príncipe T e vida, muita vida para vos mostrar. No nosso T3 vivemos e sorrimos muito.

Ele, o microfone e a mamã

21
Nov18

ACAMPÁMOS NO QUARTO DOS PAIS

Liliana Silva

 

 

 

20181121_080343.jpg

 

Ora vamos lá falar num tema que gera sempre tanta controvérsia, tanta indignação e tantas opiniões adversas. Pensando melhor não sei sequer se haverá muito para falar porque não me baseio em factos ou estudos comprovados. O Co-slepping existe e sempre existiu. Tem agora este nome pomposo mas acredito piamente que na minha altura de bebé chorona também já existisse dado que já partilhava a cama dos meus pais ou o mesmo espaço que eles. Ora pois muito bem, por estes lados pratica

Esta história seria toda muito gira, não fossem os pais, mães, profissionais de saúde e demais opinadores comuns estarem tão preocupados com estes novos métodos e as novas maneiras de ensinar a criança a ser e a estar. A minha humilde opinião e acreditem que é mesmo humilde, não querendo com isto criar juízos de valor ou impor modas e manias, é que pais, bebés e crianças devem ser felizes na hora de dormir. E acreditem que hoje, e passados quatro anos de muitos martírios com o sono do miúdo tenho plena convicção disto mesmo. Falamos muitas vezes nos telhados de vidro mas achamos que só aos outros caem as pedras...wrong...grande mentira. Sempre disse antes de ser mãe que o meu filho não iria dormir na minha cama para que não se habituasse a essa situação. E o que foi que aconteceu? Pois...não..ele não dormiu sempre na minha cama...mas não dormiu porque tentei impor essa situação a mim própria até ao dia que percebi estava a dar em doida...literalmente em maluca. Eu não estava feliz e não conseguia passar felicidade,e isso meus caros quando se é mãe é tudo menos bom. Ter um recem-nascido que só fechava os olhos quando amanhecia, ou seja sensivelmente 4meses a dormir apenas a partir das 06h da manhã não pode trazer alegria e entusiasmo a ninguém. Nessa altura percebi que se ele dormisse 15minutos agarrado a mim era bem mais saudável do que ter de o entregar para me ir internar nos cuidados psicológicos de um qualquer hospital psiquiátrico. A partir daí não fui de modas e mantive-o o tempo necessário para restabelecer a minha sanidade mental e emocional. Acreditem que esta parte é mesmo muito importante. O pequeno princípe T dormiu no nosso quarto, intercalando o berço com a nossa cama até ao primeiro ano de vida e depois passou para o quarto dele. As noitadas continuaram durante mais um par de anos, mas continuaram porque nem mesmo na nossa cama ele dormia assim tanto, porque mesmo eu estando com ele na cama dele tinha dificuldade em dormir. Ainda hoje é assim...a grande diferença é a sesta da tarde que hoje em dia já não faz e lhe permite "quebrar" o ritmo quando começa a noite. 

Mas ontem e para festejar o pijama o miúdo foi literalmente acampar no nosso quarto. E digo literalmente porque arranjei maneira desta situação ser também uma aventura. Se era para ser um dia diferente, que fosse também noutros aspectos. O T tem uma tenda no quarto que passamos para o nosso quarto. Fiz-lhe a cama lá, mesmo à beira da minha cabeceira e instituimos o dia do acampamento do pijama. Escusado será dizer que ele achou tudo isto um "piadão". E eu...bem eu inventei mais uma forma de lhe proporcionar coisas simples mas cheias de emoção ❤

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D