Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ele, o microfone e a mamã

"Radicalismos" de uma mãe galinha, rabiscos e cantorias do pequeno príncipe T e vida, muita vida para vos mostrar. No nosso T3 vivemos e sorrimos muito.

Ele, o microfone e a mamã

"Radicalismos" de uma mãe galinha, rabiscos e cantorias do pequeno príncipe T e vida, muita vida para vos mostrar. No nosso T3 vivemos e sorrimos muito.

As Avaliações

10.01.19 | Liliana Silva

IMG_20190110_205635815.jpg

 

 

Chegou a convocatória! A tão temida (por mim) reunião de final de período. Mais uma estreia nesta coisa da maternidade...as notas do miúdo.

Lembram-se de há tempos ter falado das comparações, das expectativas, dos receios, da aprendizagem do miúdo?! Deixei fluir...a partir desse desabafo deixei mesmo fluir. Não deixei de me importar, mas deixei de gritar, deixei de ficar ansiosa, deixei de exigir em demasia...

E a coisa compôs-se...o pequeno príncipe T começou a fazer as coisas com mais vontade, com menos choro e menos ansiedade.

Ora, com o final do período, veio o papelinho para casa com a data e hora da reunião de pais. Assunto: o aproveitamento dos meninos...

É que nem gelei, nem tremi, nem pensei... sabia ao que ia. Sem expectativas e sem exigências.

E lá vem ela, mais uma chapada de luva branca. Toma que é para aprenderes a relativizar as coisas!! Tanto stress inicial e no fim de contas vês as palavras "Muito bom" ...  toma que o miúdo de pouco mais de 1mt deu-te uma lição do caraças.

Ouvi com atenção tudo o que foi dito pela professora, a mesma que me apaziguou o coração quando lhe liguei em tempos com as preocupações de mãe galinha. A mesma que me disse para lhe dar tempo e confiança. A mesma que me disse que o ajudasse sem pressionar, que o click ia acontecer.

Assim fiz...e no meio de tantas mães e pais percebi que a minha "afronta" não estava sozinha. No meio de tantos encarregados de educação ia vendo os olhares, as cabeças a abanar...estavamos todos praticamente no mesmo barco...aquele em que começamos a descobrir esta coisa do conhecimento com os nossos filhos.

Regressei a casa e anunciei que tinha uma conversa para ter no final do jantar. O miúdo ficou alerta e perguntou logo se era sobre a reunião com a professora. O Engenheiro da casa franziu o sobrolho e não descansou enquanto não comeu e comecei a conversa.

Decidi que não ia florear as coisas, li o que a professora tinha escrito na avaliação global, o bom e o menos bom, para que se apercebesse no que poderá melhorar daqui para a frente. E no final fiz questão de lhe dizer que estava muito orgulhosa dele e das conquistas que fez nestes primeiros meses da escola. Pedi-lhe ao mesmo tempo atenção redobrada e disse-lhe que podia aprender a brincar. Ele sorriu.

A partir daqui é mais uma etapa. Para ele e para mim. Retirei uma lição...e vou continuar a pô-la em prática para que o mini da casa seja feliz na sua casa chamada escola. Porque afinal, ele não precisa de ser o melhor, só precisa de ser feliz.

 

2 comentários

Comentar post