Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Ele, o microfone e a mamã

"Radicalismos" de uma mãe galinha, rabiscos e cantorias do pequeno príncipe T e vida, muita vida para vos mostrar. No nosso T3 vivemos e sorrimos muito.

Ele, o microfone e a mamã

"Radicalismos" de uma mãe galinha, rabiscos e cantorias do pequeno príncipe T e vida, muita vida para vos mostrar. No nosso T3 vivemos e sorrimos muito.

E as férias mamã?! Ficas comigo?

08.04.19 | Liliana Silva

IMG_0958.JPG

 

A conversa começou assim:

T: Então mamã eu já estou de férias e tu quando ficas comigo?

E aqui entra novamente o nó na garganta e o aperto do coração...

Mamã: desculpa príncipe, mas a mamã não tem férias por agora. Vais ter de ficar no ATL. Arranjei-te umas tarde diferentes na Banda e vais poder fazer muita coisa nova...

T: sabes, a mãe da minha amiga M. vai ter férias. Será que é porque trabalha mais que tu tem direito a mais férias?

Mamã: não é bem isso príncipe. Tem a ver com os trabalhos que cada um tem...provavelmente a mãe da tua amiguinha também vai ter férias agora e eu decidi desdobrar as minhas férias para poder estar contigo em alguns dias duranten as férias grandes. 

T: ok, mas não podes ficar só um dia comigo? Ia ser tão fixe ficarmos a brincar os dois, jogar à bola, fazer espectáculos...

(lembrei-me do feriado e à rasca lá me safei com esse dia)

Mamã: Tiago a mamã não pode enganar-te. Não tenho férias agora, mas sabes uma coisa? Temos um feriado lá mais para o final da próxima semana e vamos aproveitar o fim de semana prolongado, que te parece?

T: Vai ser fixe, contigo tudo o que fazemos é fixe, menos experimentar roupa nas lojas que é uma seca para mim porque não tenho com o que brincar 

Esta conversa demorou nem cinco minutos! Esta conversa traz sempre à tona aquilo que me deixa danada e revoltada com estas regras e esta rigidez. Tenho 22 dias de férias. Não fiz ainda as contas às dele, mas seguramente que são mais do dobro ou o triplo. E querem os senhores governantes aumentar a natalidade deste país? Querem os senhores governantes que haja mais crianças? 

Não há como!!! E desculpem-me, não é por não querer trabalhar, ou por querer descansar mais do que ninguém, mas acho sinceramente que o meu filho e mesmo eu gostávamos de estar mais tempo juntos. Entrar de férias e ter de se levantar cedo na mesma não são férias!! Continuar as manhã eufóricas do "despacha-te que já estamos atrasados", não são férias!! Ficar de férias e ter de rumar para o mesmo local, ver as mesmas caras, comer da mesma comida não são férias!! Não ponho nunca em causa o profissionalismo nem as actividades novas que cada ATL consegue organizar, que digo-vos já fazem um trabalho excepcional. Eu é que gostava de não ter o ir depositar no ATL, gostava que as coisas fossem mais equitativas. Gostava de o aproveitar e de o deixar por exemplo ficar na ronha comigo de manhã, sem hora para acordar, sem ter de por exemplo tirar o pijama ou até de poder vestir um fato de treino e ir com ele para o parque e depois fazer um piquenique.

Agora muitos dizem...fazes isso nos fins de semana. Certíssimo! Já o faço. E estou convicta que aproveito muito e bem do tempo que passo com ele, mas os fins de semana são isso mesmo - fins de semana, que existem no final de cada semana e em que nos servimos destes dois dias para temperar a vida com novos ingredientes.

Ou há férias a mais para eles ou a menos para nós pais! Chiça que não é mania minha! Caramba para todos os anos, em que tenho de pegar no mapa das férias para preencher, e desde que sou mãe vejo-me entre a espada e a parede. Dar-me-ão vocês mais uma solução...a família, nomeadamente os avós...pois sim, se uns ainda trabalham, o outro até pode ficar com a cria, mas confesso que não acho "correcto" estar a condicionar o dia a dia dele durante quase três meses, sabendo de antemão que uma criança de seis anos tem uma energia que não tem uma pessoa de setenta, sendo neste caso em particular uma pessoa que requer cuidados de saúde.

Ora posto isto, e sabendo que gero muita polémica quando me pedem para marcar férias, eu admito que não sei por onde pegar e sinto-me triste. Sei também que há muitos pais e mães piores que eu, vénia vos seja feita. A mal ou a bem tenho conseguido orientar a coisa para que o mini não se sinta sempre "prisioneiro da escola", mas também sei que muita coisa terá de mudar no que toca à natalidade e ao seu incentivo.

Um país onde ainda só se dá seis meses para a mãe ficar com um bébé e onde se fazem poucas ou rascas mudanças nesta área só pode ter um país envelhecido e sem grande vontade de mudança.

Eu cá tenho as férias marcadas. A Páscoa não foi contemplada porque achei que ele vai querer desanuviar nos meses de verão uma semana em cada mês, portanto tomei esta decisão. Não sei se é a melhor, a mais acertada ou coerente mas foi a decisão que tomei a pensar no melhor para ele. Se estou a ser demasiado complicada quanto ao assunto?! Talvez, mas se há coisas que nos incomodam devemos expo-las quanto mais não seja para exorcisar o tema e seguir em frente sem pesos na consciência.