Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ele, o microfone e a mamã

"Radicalismos" de uma mãe galinha, rabiscos e cantorias do pequeno príncipe T e vida, muita vida para vos mostrar. No nosso T3 vivemos e sorrimos muito.

Ele, o microfone e a mamã

"Radicalismos" de uma mãe galinha, rabiscos e cantorias do pequeno príncipe T e vida, muita vida para vos mostrar. No nosso T3 vivemos e sorrimos muito.

Estou a crescer contigo...

28.07.18 | Liliana Silva

 

20180714_232624.jpg

Mais uma vez...

Quando digo que cresço contigo pode até parecer cliché, maluquices ou exagero da minha parte, mas a verdade é que é assim que me sinto...a vencer etapas ao teu lado.

Nesta profissão de mãe não há, como todas nós sabemos, um manual de instruções que nos ajude a desenvolver as nossas aptidões. Deitam-nos aos lobos e desenrascamo-nos o melhor que sabemos e podemos. Não fui nem sou excepção. Já fiz muito asneira contigo (nada de grave, não fiques apavorado), mas deitando o olho para trás percebo que o que ficou depois do meu ombro, lá atrás, poderia ter sido feito de outras maneiras não tão duras para mim como para ti. 

Esquecendo no entanto o que "lá vai lá vai" sinto-me mais madura, mais compreensiva, mais coerente. E ontem deitei-me com o sentido de missão cumprida para mais um dia.

Depois de um dia que foi daqueles "para esquecer", daqueles em que me apetecia deitar a cabeça na cama e tapá-la com a almofada sem ouvir nada nem ninguém, daqueles dias em que não há paciência nem para os meus pensamentos quanto mais para tomar conta de uma criança como tu...começas a choramingar e chamas por mim...

Na primeira tentativa acalmei-te ao longe dizendo que estava no quarto ao lado, mas percebi que aquilo não estava a resultar e levantei-me...chego à porta do quarto e percebo a tua aflição, o teu medo e mesmo o pânico...olhas e desatas num choro desenfreado e percebo que precisavas da minha presença...

Estava com a cabeça a mil, pronta para chorar também, a precisar de colo e a não ter de dar explicações sobre nada...mas tu também estavas ali, frente a frente comigo com uma vontade imensa de um abraço e de um limpar de lágrimas. Era meu dever entrar em acção e vestir a capa de mãe. Respirei fundo, levantei-te para o meu colo e percebi que tremias. Falavas em monstros, em bichos papões, em mortes...respirei fundo novamente e fiz-me à estrada das tuas preocupações. Percebi logo, que ali a minha missão era guardar os meus problemas na gaveta da minha alma e tentar resolver os teus. 

Expliquei-te aquilo que consegui da forma mais simples e sem dramatizar...e sabia que de nada me valia voltar a deitar-te ali se ainda tinhas o coração a mil. Peguei em ti e levei-te para a minha cama...era lá que ontem pertencias, era daquilo que ontem precisavas e eu soube-o num click, sem desesperos nem gritos...superei-me e sinto-me orgulhosa por isso! Fui capaz de te dar a paz que necessitavas e depois disso mais nenhum problema meu fez qualquer sentido. Agarraste a minha mão e adormeceste em cinco minutos, calmo e tranquilo. 

Superei-me!

Não sei qual o significado de tudo isto, divago muito sobre a minha missão ao ser tua mãe. Não sei se "alguém" me pôs à prova ontem. Não sei...tenho as minhas teorias mas nunca as certezas que gostaria. Sinto que algures, alguém percebeu o meu estado de espírito de ontem e me fez parar para reflectir...Assim o fiz...e assim adormeci mais tranquila. 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.