Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ele, o microfone e a mamã

"Radicalismos" de uma mãe galinha, rabiscos e cantorias do pequeno príncipe T e vida, muita vida para vos mostrar. No nosso T3 vivemos e sorrimos muito.

Ele, o microfone e a mamã

"Radicalismos" de uma mãe galinha, rabiscos e cantorias do pequeno príncipe T e vida, muita vida para vos mostrar. No nosso T3 vivemos e sorrimos muito.

O Leite que dá VIDA

02.08.17 | Liliana Silva

20614566_10213777980473450_843646244_n.png

Amamentei durante 4 meses e ainda hoje acho que foram "apenas" 4 meses, e ainda hoje me revolto comigo mesma! Amamentei apenas 4 meses por palavras ingratas, por conselhos desadequados, por medos impostos, por ajudas que não chegaram.

Amamentei apenas 4 meses porque me deixei levar em conversas desnecessárias e amamentei apenas 4 meses por influências hoje sem influência. Dei-te a maminha durante 4 meses e nesse tempo só ouvia as típicas frases "tens um leite fraco", "ele não engorda apenas com esse leite", "não tens leite suficiente", "és magra não produzes o indispensável", e nesses 4 meses não me lembro de ouvir alguém encorajar-me e dizer "vamos lá ver o que se passa" ou "anda que nós vamos tentar alterar a situação para vosso bem". Fizeram-me ir pelo caminho mais curto e mais fácil, o LA.

Ainda hoje me chamo de burra. Ainda hoje penso como pude deixar que mentes pequenas me influenciassem desta maneira. Sim foram 4 meses que poderiam ter sido mais. Dei o melhor que consegui na altura mas recrimino-me porque sei que não foi o suficiente. Não recrimino quem por escolha própria não quer dar, quem toma essa decisão de livre e espontânea vontade, porque como digo e repito sempre cada mãe quer sempre o melhor para o seu rebento. Por aqui havia uma vontade maior que não foi possivel concretizar.

Neste semana Mundial do Aleitamento Materno deixo-vos o meu testemunho de mãe. Ele cresceu bem, com o percentil dentro dos limites normais, talvez aquilo em que acredito seja a base para me "desculpar", a máxima que tudo acontece por algum motivo, mas sim, faria tudo diferente, procurava quem de verdade me encorajasse e me apresentasse outras soluções. Procurava segundas opiniões médicas e colocaria de lado aquelas que na altura só estiveram para dar palpites e deixar o medo plantado neste meu coração de mamã.

Fica o conselho, o aviso e as dicas, porque o que mais não faltam são pessoas importadas apenas em plantar o desassossego numa recém mamã. 

Dar o nosso leite é dar-lhes vida e criar afectos ainda mais fortes para o futuro.

 

4 comentários

Comentar post