Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ele, o microfone e a mamã

"Radicalismos" de uma mãe galinha, rabiscos e cantorias do pequeno príncipe T e vida, muita vida para vos mostrar. No nosso T3 vivemos e sorrimos muito.

Ele, o microfone e a mamã

"Radicalismos" de uma mãe galinha, rabiscos e cantorias do pequeno príncipe T e vida, muita vida para vos mostrar. No nosso T3 vivemos e sorrimos muito.

Os estragos da parolice...

04.07.17 | Liliana Silva

20170704_155614.png

 

Se vos perguntasse se preferem ver o vosso filho limpo e arrumadinho ou sujo e encardido qual seria a vossa resposta? Teriam a capacidade de parar para pensar na resposta ou a mesma seria imediata e sem grandes consequências?

A temática é controversa...pode até gerar conflitos interiores e aqui a mamã já aprendeu que não se responde a nada sem pensar primeiro. À partida todos nós gostamos de apresentar os nossos pirralhitos num miminho, como se costuma dizer, gostamos de os trazer “num brinquinho” e gostamos que mostrem boa figura num primeiro impacto. Gostamos de os ver limpos e ajeitados, sem nódoas de sopa ou chocolate no canto do lábio. A verdade é que assim seria o ideal da criança arrumadinha. Mas por si só a palavra criança é o oposto da palavra arrumação e limpeza. Ah pois meus queridos amigos e amigas, hoje a conversa foi esta pela manhã e pela resposta do pequeno príncipe T, acho que me estou a sair minimamente bem.

Por aqui e chegada a hora de calçar as sandálias (que a meu ver são mais frescas para estes dias de calor) o pequeno T perguntou se não podia levar umas sapatilhas porque com as sandálias não podia ir para a terra. Perguntei-lhe porque não ia para a terra com as sandálias. A resposta foi aceitável, porque iria ficar com os pés cheios de areia e não conseguia brincar assim. Então questionei quais os ténis que queria levar. A resposta não foi surpresa. Queria levar os ténis das luzes que brilham mas acrescentou “estas sapatilhas não deviam ir para a terra pois não mamã? Estão a ficar sujas e gastas, qualquer dia já nem brilham...”

Fiquei surpreendida com a resposta porque nunca deixei de o vestir ou calçar com receio de que as coisas se estraguem (confesso que evito uns ténis que foram um bocadinho mais caros, mas também esses já foram) e perguntei-lhe porque tinha dito aquilo.

A resposta deixou-me um nó na garganta:

Sabes mamã, há meninos que não brincam muito na terra da escolinha, não brincam com o balde e a pá, porque não se podem sujar, os papás não querem e eles andam só de bicicleta ou brincam no escorrega e na casinha.

A minha reacção?!

Olha príncipe os ténis são para gastar e para romper, o teu pé qualquer dia já nem cabe lá, a roupa é para sujar porque a máquina lava e tu só tens de fazer o que sabes de melhor que é brincar e ser feliz.

Os ténis das luzes foram para a escolinha como já tantas outras vezes foram e no regresso estarão com certeza mais gastos e sujos. Mas saberei sempre que isso foi sinónimo de muita brincadeira e animação.

Quem sou eu para julgar ou apontar o dedo. Nem sei se será assim uma verdade tão real mas também não quero saber. Cada pai e mãe quer sempre o melhor para os rebentos. Há com certeza também muita maneira de o demonstrar. Por aqui desde que haja o mínimo de higiene na hora de comer, de estar na sala e de sair…tudo o resto é superficial, porque são crianças que a qualquer momento deixarão de brincar por serem já “velhos demais” para tal. Hoje eu sei que ele pode e deve brincar. “Amanhã” sei que as metas a atingir serão tantas e de tão grande tamanho que o impedirá de brincar na terra ou saltar as poças de água, e aí, aí não terei peso na consciência porque lhe dei total liberdade para sujar, seguir em frente e ser feliz. Só as crianças sabem o verdadeiro significado disso mesmo.

 

 

   

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Liliana Silva

    05.07.17

    Com toda a razão...ainda que às vezes nos possamos aborrecer em certas situações...eles devem é ser felizes. ;)
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.