Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ele, o microfone e a mamã

"Radicalismos" de uma mãe galinha, rabiscos e cantorias do pequeno príncipe T e vida, muita vida para vos mostrar. No nosso T3 vivemos e sorrimos muito.

Ele, o microfone e a mamã

"Radicalismos" de uma mãe galinha, rabiscos e cantorias do pequeno príncipe T e vida, muita vida para vos mostrar. No nosso T3 vivemos e sorrimos muito.

Quando deixa de ser Natal...

20.12.17 | Liliana Silva

DSC_1783.jpg

 

 

Deixou de ser natal...O meu Natal

Deixou de haver o cabaz com as bebidas, o bolo rei e o pai natal de chocolate da empresa dos pais

Deixou de haver o presépio montado na lareira que já não era utilizada

Deixou de haver os enfeites novos todos os anos com cores a combinar

Deixou de haver as inúmeras sobremesas na mesa de natal

Deixaram de existir os inúmeros presentes que rodeavam a árvore na noite da consoada

Deixou de haver o friozinho na barriga na manhã do 24

Deixou de haver o calorifico a gás a aquecer a sala

Deixou de haver a azáfama dos doces e dos salgados na cozinha durante a tarde da consoada

A tradição daquela casa não se perdeu, apenas deixou de existir

Porque há lugares vazios

Daqueles lugares que fazem toda a diferença

Deixou de estar a mãe, a impulsionadora, a mente dos sonhos, a mulher coragem, a "tipa" doce, a destruidora de pensamentos negativos

Deixou de estar a prima sorridente, a "irmã" que ia a todas, a amiga que envergava o barrete de pai natal e encarava o espírito ao mais alto nível

Deixou de estar a avó que soprava as velas no mesmo dia do nascimento do menino e que nos fazia beijar-lhe os pés com rigor e serenidade.

Estes lugares jamais serão ocupados. Estes lugares marcarão para sempre uma vida, uma época, um momento. O vazio destes lugares fez-me perceber que deixou de ser Natal...naquele tempo deixou de haver magia.

Aos poucos, e passando 5 anos estou a redescobrir os pozinhos mágicos...

Afinal o Natal continua a existir...dei-lhe "nova roupagem", agarrei-me a ele com os sonhos de um miúdo de 5 anos, passei a dedicar-lhe mais tempo, voltaram as decorações e voltou sobretudo a vontade de transmitir ao pequeno príncipe T esta magia. Porque eu deixei de acreditar em muito mas quero que ele acredite em tudo, porque só acreditando a vida faz realmente mais sentido. Se acreditarmos ninguém  nos tira o essencial da vida: Sonhar.

 

2 comentários

Comentar post